REFLEXÃO

                                         Separações 

Nas construções do bem, é forçoso contar com a retirada de muitos companheiros e, em muitas ocasiões, até mesmo daqueles que se nos fazem mais estimáveis. É preciso agüentar a separação, quando necessária, como as árvores toleram a poda. Erro grave reter conosco um ente amigo que anseia por distância. Em vários casos, os destinos assemelham-se às estradas que se bifurcam para atender aos desígnios do progresso. Não servir de constrangimento para ninguém. Se alguém nos abandona, em meio de empreendimento alusivo à felicidade de todos e se não nos é possível atender à obra, em regime de solidão, a Divina Providência suscita o aparecimento de novos companheiros que se nos associam à luta edificante. Nunca pedir ou exigir de outrem aquilo que outrem não nos possa dar. Não menosprezar a quem quer que seja. Saibamos orar em silêncio, uns pelos outros. Apenas Deus pode julgar o íntimo de cada um. 


DO LIVRO Sinal Verde pena abençoada de Chico Xavier, irmão do invisível André Luiz.
Postado por antonio carlos jacinto às 20:04